Hub da AirFrance-KLM/Gol é lançado oficialmente em Fortaleza

0

Após a chegada dos voos inaugurais da AirFrance, KLM e Gol em Fortaleza, o hub das empresas na capital cearense foi lançado oficialmente em evento na noite desta quinta-feira (3), no Espaço Cocobambu por Toca. O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito Roberto Claudio (PDT) receberam o vice-presidente Comercial, Vendas e Alianças do Grupo AirFrance-KLM, Patrick Alexandre; o CEO da KLM, Pieter Elbers; e o CEO da GOL, Paulo Kakinoff; além de autoridades estaduais e municipais.

Fotos: Denis Santana

Casablanca apresenta o luxo dos cruzeiros Silversea

0

Aproveitar o conforto e o luxo dos navios mais sofisticados do mundo, com menus elaborados por chefs renomados, drinques especiais e um serviço de cinco estrelas entre experiências que mesclam as mais incríveis paisagens naturais, arte, cultura e luxo. Esta é a essência dos cruzeiros Silversea, mais uma das grifes de experiências exclusivas do portfólio da Casablanca Turismo.

A empresa, fundada há 25 anos em Mônaco, é reconhecida pela exclusividade dos seus navios com no máximo 300 cabines, todas com vista para o oceano, poucos passageiros em comparação com outras empresas de cruzeiro, serviço esmerado – a proporção de tripulantes e passageiros é de quase um para um – e pela valorização das experiências em paisagens tão idílicas quanto remotas. Das tartarugas gigantes de Galápagos a jantares abertos observando a Aurora Boreal no Ártico, passando pelas encantadoras cidades do Mediterrâneo ou pelas geleiras repletas de pinguins na Antártida, a Silversea reúne 900 destinos em todo o mundo.

Seus roteiros são divididos em cruzeiros clássicos e expedições, todos all inclusive, e partem de macrorregiões como Mediterrâneo e Canadá/Nova Inglaterra (clássicos); Ártico, Costa Oeste dos Estados Unidos, Leste da Rússia, Antártica, Galápagos, Ártico e Micronésia/Melanésia (expedições) e América do Sul, Alasca, Norte da Europa e Ilhas Britânicas, África e Oceano Índico, Austrália e Nova Zelândia e Asia (expedições e clássicos).

Para estas viagens, são utilizados 10 navios – outros quatro serão entregues até 2022, inclusive o Silver Evolution Class, que deve ser o maior da frota -, todos preparados para aportar em destinos em que a maioria dos cruzeiros comuns não é capaz de chegar. Os cruzeiros de expedição, devido a caracteríticas geográficas e climáticas das regiões, são ainda mais exclusivos: são feitos nos navios Silver Explorer (144 passageiros) e Silver Galápagos (116 passageiros). Estes últimos contam com serviços complementares inclusos para garantir o sucesso da expedição, como guias especialistas, equipamentos para velejar e a parceria com a associação internacional de velejadores da classe R.G.S.

A Casablanca Turismo, maior agência do Nordeste e especialista nos segmentos corporativo e de experiência, possui vários opções dos cruzeiros Silversea e já está comercializando viagens para a rota de 2021, que vai de um extremo a outro do mundo: de Ushuaia, na Terra do Fogo (Argentina), até Tromso, na Noruega, passando pela Austrália, Asia, África, Oriente Médio e Europa. A viagem vai durar, ao todo, 167 dias, passando por 107 destinos em 30 países.

 

 

Fortaleza será portão de entrada de cruzeiros na América do Sul

Fortaleza será o novo portão de entrada de navios transatlânticos vindos da Europa e América do Norte, segundo o secretário do Turismo de Fortaleza, Regis Medeiros. Em reunião com executivos da CVC, na última semana, foi confirmada a parceria com a Pullmantur Cruzeiros a vinda da embarcação Sovereign, da Europa. 

“Já na próxima temporada 2019/2020 teremos o Sovereign trazendo cerca de 3 mil passageiros, entre turistas e tripulantes. Visitantes de alto poder aquisitivo que deverão passar o dia em Fortaleza, movimentando nossa economia”, destacou Regis.

Ainda conforme o secretário, alguns ajustes devem ser reparados para que mais embarcações deste porte atraquem no Terminal Marítimo do Mucuripe. “Estaremos fazendo o dever de casa, melhorando logística, recepção e serviços. Será uma tarefa conjunta com a Prefeitura, Governo do Estado e Companhia Docas. O Governo Federal também deve começar a obra de dragagem, o que vai possibilitar o aporte de embarcações maiores no Terminal”, afirmou.

Casablanca Turismo promove Road Show Inovações em Viagens

A Casablanca Turismo promoveu nesta quinta-feira (4), no Hotel Gran Marquise, o Road Show Inovações em Viagens. Cerca de 100 clientes de grandes empresas do Ceará foram apresentados às novidades do setor de viagens corporativas. O evento, que contou com apoio da Air-France, KLM, Gol, Avianca, Bradesco, Hotel Gran Marquise e Movida Rent a Car, discutiu pontos importantes na gestão de viagens e demonstrou a plataforma IGestor 2.0, de gerenciamento e redução de custos com viagens corporativas. Houve ainda uma palestra com Luana Nogueira, gestora da ATG Brazil, franqueada global da Casablanca Turismo no Brasil, sobre tendências de mercado.

Fotos: Denis Santana

Terra Santa: experiências únicas no local sagrado das três religiões

0

Ocupada por humanos há quase 1,5 milhão de anos e sagrada para as três principais religiões monoteístas do mundo, a Terra Santa – porção que se estende do Mediterrâneo ao mítico Rio Jordão e passa por Israel, Jordânia e Palestina – oferece para os viajantes praticamente um resumo a céu aberto da história do mundo e das religiões.

Para os cristãos, foi lá que Jesus Cristo nasceu, viveu, pregou, foi crucificado e morto e ressuscitou. Para os islamitas, é onde o profeta Maomé subiu aos céus montado em um cavalo – além disso, Jesus é o segundo profeta mais importante do Islã. E, para os judeus, é lá também que Abraão considerou ser a Terra Prometida a ele por Deus.

Por isso a região tem, apesar das sangrentas disputas e de ter sido destruída diversas vezes ao longo dos cerca de seis mil anos desde a fundação de Jerusalém, abundância de monumentos, templos, ruínas e outras referências ao Islamismo, ao Catolicismo e ao Judaísmo. A região também abrigou outros povos com diversas religiões e seitas, tais como diferentes ramos do judaísmo, cristãos ortodoxos, drusos, sunitas, sefarditas e por aí vai.

 

Para conhecer o básico de cada uma das vertentes religiosas, o viajante não pode deixar de ir à Cesareia, construída por Herodes;  São João de Acre, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco e onde há duas cidades construídas – uma sobre a outra, porque a primeira foi considerada impura; a pagã Banias, consagrada ao deus Pan; Volcano Bental, a parte mais alta das Colinas do Golan, tomada da Síria por Israel na Guerra dos Seis Dias; Cafarnaum, onde nasceu São Pedro; Belém, onde Jesus nasceu, e Nazaré, onde Ele passou a infância, além de outros locais citados na Bíblia: Megido, Monte Tabor, Jericó, Deserto da Judeia, Mar Morto, Rio Jordão e, claro, Jerusalém.

Saindo de Fortaleza, a opção mais rápida e segura para chegar à Terra Santa é a partir de Tel Aviv, a cosmopolitana capital de Israel. Tanto a KLM quanto a Air France oferecem voos diretos a partir de Amsterdã e Paris, respectivamente, ambas com duração de 4h30. Além disso, a Casablanca Turismo oferece diferentes experiências na região, para grupos ou individuais.

 

Jordânia: uma das guardiãs da história da humanidade

0

Em um território desértico e menor que o do estado de Pernambuco, a Jordânia reúne o Mar Vermelho e o Mar Morto; sítios arqueológicos milenares com resquícios das ocupações por romanos e árabes; passeios de balão ou camelo pelo deserto; e uma metrópole vibrante, onde a modernidade convive com o melhor dos mercados, da gastronomia e da cultura árabe.

Localizada ao longo do bíblico rio Jordão e ao lado de Israel, Palestina e Síria, a Jordânia, cujo nome oficial é Reino Haxemita da Jordânia, é um dos países mais estáveis do Oriente Médio e também dos mais abertos ao ocidente. A área não possui e reservas de petróleo como na vizinhança e, devido à escassez de água, sua economia vive basicamente do turismo e do comércio.

E paisagens não faltam para encantar os mais de oito milhões de visitantes estrangeiros que passam por lá. Da capital Amã, uma metrópole construída inicialmente entre sete colinas e hoje movimentada e cheia de prédios modernos, além da sua Citadel, as ruínas da cidadela que é um dos lugares ocupados pelo homem há mais tempo na Terra. De Petra, cenário para o filme Indiana Jones e também conhecida como Cidade Rosa, que foi redescoberta em 1812 e atualmente ostenta os títulos da Unesco de Patrimônio Mundial e Novas Maravilhas do Mundo Moderno, onde ruínas de ocupações de tribos árabes muitas vezes estão ao lado de outras dos romanos ou dos tempos das Cruzadas. Das montanhas de pedra avermelhada esculpidas pelo vento no vale de Wadi Rum, conhecido como “Vale da Lua” porque suas formações lembram crateras lunares – e que também serviu de locação para outro clássico de Hollywood, no caso, Lawrence da Arábia. Do cristalino Mar Vermelho ou do intrigante Mar Morto, as paisagens na Jordânia são puro deleite.

Como o clima da região é desértico, as temperaturas variam muito, mas costumam ser mais elevadas entre maio e setembro. Por não ter conexões aéreas com o Brasil, a melhor maneira de chegar a Jordânia é via Paris ou Amsterdã pela Air France-KLM, ou de carro a partir de Israel. A Casablanca Turismo também oferece várias opções de pacotes e serviços tanto para a Jordânia quanto para outros destinos da região, como Israel, Terra Santa e Egito.

 

O requinte dos Alpes Franceses no inverno

0

Com a chegada da fase mais rigorosa do inverno no Hemisfério Norte, que ocorre nesta época do ano, aumenta também a quantidade de turistas europeus e de outros países que vão aproveitar as montanhas geladas da França.

As principais ficam no maior maciço da Europa Ocidental, os Alpes, que cortam seis países (Eslovênia, Áustria, Alemanha, Suíça e nas suas porções mais altas, França e Itália) e abrigam o ponto mais alto desta parte do continente. o Montblanc, na fronteira com a Itália, tem mais de 4,8 mil metros de altitude e só perde para o isolado Monte Elbrus, 800 metros mais alto e localizado na Rússia.

Os alpes oferecem visões espetaculares em qualquer época do ano. No verão, quando os lagos descongelam e a neve diminui, a pedida são as trilhas e a prática de mountain bike (inclusive, a competição mais famosa do país, a Tour de France, começa nos Alpes e termina em Paris, na Champs-Élysées). Mas é entre dezembro e março que as montanhas se tornam mais atrativas e os mais de 30 resorts de inverno da região ficam lotados de esquiadores experientes e de primeira viagem.

Dentre tantas vilas pequenas e com a paisagem típica de chalés cobertos de neve, as cidades obrigatórias em um roteiro pelos Alpes são a universitária e medieval Grenoble, a pequena e luxuosa Megéve, a capital do departamento de Haute-Savoye, Annecy, e a famosa Chamonix Mont-Blanc, onde está localizado a montanha famosa.

Considerada a porta de entrada dos Alpes, Grenoble é uma das cidades mais conhecidas da região. Próxima das fronteiras com a Itália e a Suíça, a cidade tem mais de dois mil anos de história e universidades seculares, e talvez por isso seja a mais agitada em atrativos culturais. Não deixe de conhecer o forte da Bastilha, que pode ser acessado por teleféricos esféricos, os bulles.

Annecy é uma das poucas cidades da França que possuem cassinos e é uma das opções mais baratas da região. No entanto, para quem gosta de esquiar, é bom ficar em cidades mais próximas das estações. Megève, construída nas partes mais altas, tem vista para o Mont Blanc de praticamente todos os lugares da cidade e é um dos destinos preferidos dos milionários europeus. Já Chamonix, para além do monte, tem o Mer de Glace, o maior glacial da França e o terceiro da Europa. O acesso se dá por trem e, a partir de dos 2 mil metros, de teleférico ou escada, que vai dar em uma gruta toda de gelo.

Uma das principais cadeias de hotéis da França, a Club Med, possui 16 resorts de inverno para quem quer curtir os Alpes. Villages como Valmorel, Peisey Vallandry, Grand Massif Samöens, Tignes Val Claret, Val d’Isere e Pragelato, entre outros, foram construídos em altitudes que vão de 1.200 a 3.200 metros e têm em comum pistas de ski de vários níveis, que variam entre 150 km e 600 km; aulas coletivas inclusas nos pacotes, tanto para ski quanto para snowboard; passes de acesso aos teleféricos e de deslocamento entre os pontos de elevação; bar, snacking e três refeições incluídas, animação com equipes especializadas e, em alguns, monitoramento para crianças e adolescentes.

Outra empresa que possui várias experiências nos Alpes em seu portfólio é a Casablanca Turismo. Para chegar aos Alpes, a Air France mantém voos diretos entre Paris e Fortaleza e conexões rápidas para cidades mais próximas, como Dijon, por exemplo.

 

Fortaleza pode ganhar voo da Norwegian Air para Londres

0

O secretário do Turismo do Ceará, Arialdo Pinho, confirmou que a Norwegian Air tem planos de iniciar voos de Londres para Fortaleza. O acerto depende do aval da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que estuda o pedido da empresa norueguesa. De acordo com o órgão, o intenção da companhia aérea é fornecer o primeiro low cost internacional a atuar regularmente no Brasil. O resultado da análise deve sair em aproximadamente 120 dias. 

(Com informações do O Povo Online)

Novas operações da Latam devem começar em 1º de julho

A Latam deve anunciar hoje (23) os novos voos internacionais e domésticos a partir de Fortaleza. A previsão é que no dia 1º de julho a empresa comece a operar uma terceira frequência para Miami (EUA) e, a partir do dia 5 do mesmo mês, duas frequências semanais para Orlando (EUA), totalizando cinco voos internacionais por semana. 

Com isso e com os novos voos domésticos, a companhia completará um dos requisitos para obter benefícios fiscais de um hub no Aeroporto de Fortaleza. A expectativa é de um aumento de 32 para 40 voos domésticos por dia em um ano e para 50 em dois anos. Porém, para se configurar como hub, é necessário que haja uma coordenação entre os horários das conexões domésticas e dos voos internacionais.  

A Latam solicitou junto à Anac frequências para Vitória a partir de julho. Há ainda uma expectativa de uma nova rota internacional para a Europa. 

(Informações do Diário do Nordeste)

Jamaica: cultura rasta, compras e muita natureza em pleno Caribe

0

Sol, mar e lagoas com águas cristalinas, praias paradisíacas, muito reggae (dub, reggaton, ska e rap também não faltam), os melhores runs do mundo e um povo simpático, acolhedor e que utiliza a palavra respect como “oi” e no problem como lema. Apesar de bem clichês, estes elementos resumem bem o que é a Jamaica. Os jamaicanos costumam dizer que, quando Cristóvão Colombo chegou à ilha, em 1494, teria dito “este é o lugar mais bonito que meus olhos já viram”.

A exuberância da ilha não está apenas nas praias de água cristalina e mornas, repletas de cavernas; mas também nas florestas tropicais (a Jamaica tem ambientes únicos, como um bosque de pedras calcárias em Montego Bay, por exemplo) e nas montanhas do centro do país. Ou seja, não faltam ótimos picos para escalada, mountain bike, mergulho e outros esportes.

A terceira maior ilha do Caribe (possui pouco menos de 11 mil km² e 45 km de extensão de leste a oeste) foi colonizada por espanhóis, tomada por ingleses (que permitiram que o local fosse o centro da pirataria caribenha para evitar um contra-ataque espanhol) e só alcançou a sua independência total em 1962.

Os colonizadores e os escravos trazidos da África para serem explorados nas lavouras de cana-de-açúcar deixaram traços como o idioma oficial, um inglês pouco compreensível, a culinária (os dois pratos típicos mais consumidos, Jerk Chicken e Jerk Beef, churrascos preparados em baixa temperatura com molho agridoce e apimentado, são exemplos dessa mistura) e, claro, a música.

Além do reggae do maior ídolo do país, Bob Marley (não deixe de conhecer o museu dedicado ao artista, instalado na sua antiga casa), presente em todos os lugares, a Jamaica promove diversos festivais de música ao longo do ano, sendo o mais conhecido o Ocho Rios Jazz Festival (aproveite a estadia em Ocho Rios para conhecer a segunda lagoa azul, a primeira, onde foi filmado o clássico da Sessão da Tarde, fica em Port Antonio), o Sum Fest e o Sunsplash.

Outro atrativo da Jamaica são as compras. Como o dólar jamaicano é bem mais barato que o americano, que também é amplamente aceito, é um ótimo lugar para consumir. Além de muitas lojas, feiras e bancas com muito artesanato e bugigangas rasta na capital, Kingston, e nas turísticas Negril, Montego Bay e Ocho Rios (onde fica a Gloucester Avenue), há uma animada via livre de impostos e cheia de lojas, joalherias, bares e restaurantes.

Como não existem voos diretos entre o Brasil e a Jamaica, a maneira mais prática de chegar é via conexão na cidade do Panamá, pela Copa Airlines (pouco mais de 10 horas de voo, com a conexão), ou por Miami e Orlando, além dos milhares de cruzeiros que passam pela região.