A VCI SA está lançando no mercado um produto inédito: a primeira franquia para venda de fração imobiliária, o modelo de negócio para apartamento e casa de férias que mais cresce no Brasil.

Neste modelo o imóvel é vendido em frações para utilização em determinada época do ano. Corretores independentes ou qualquer pessoa que tenha uma tendência ao empreendedorismo já podem contar com esta plataforma 100% digital para trabalhar no ramo imobiliário.

Trata-se da franqueadora 2Share, criada pela VCI SA, incorporadora que trabalha em projetos de multipropriedade no ramo hoteleiro.

A startup 2Share nasceu há um ano e meio como empresa do grupo VCI, com um investimento total em planejamento e produção da plataforma de R$ 1,2 mi. Dentre as vantagens, conta com toda a estrutura da empresa especializada para a jornada do empreendedor ser a mais assertiva possível.

Com a crise global devido ao novo coronavírus, esta é uma nova forma de geração de renda. Com baixo investimento, de até R$ 30 mil, faturamento de R$ 180 mil e retorno estimado em 9 meses, a plataforma omnichannel desenvolvida pela 2Share vai possibilitar o uso simultâneo e interligado de diferentes canais de comunicação, com o objetivo de estreitar a relação entre online e offline.

Essa prática do varejo permite que o usuário tenha a convergência do virtual e do físico. Com um método de vendas expressivo e sem nenhuma concorrência direta neste segmento, a marca tem um time composto por equipe multidisciplinar com ampla experiência no mercado imobiliário, de turismo e de franquias.

Além disso a 2Share já nasce com um grande diferencial de mercado para seus franqueados, a venda das frações imobiliárias da marca global Hard Rock Hotel, sendo dois empreendimentos no lançamento o de Fortaleza e o de Ilha do Sol no norte do Paraná.

No formato de franquia física ou microfranquia digital, chamada pelo grupo de “Home Office”, o empreendedor tem autonomia para definir o seu local de venda das frações em multipropriedade. Ele receberá um treinamento online, além de todo o suporte.

Será dedicado no atendimento pessoal, reforço dos consultores na força de vendas, área destinada ao marketing, aprendizado com eventos, cursos, certificações e também sobre controles administrativo e financeiro para a administração do novo negócio.

“Nossos clientes são esclarecidos e conhecem a marca e a qualidade do produto, por isso são pouco impactados pelas técnicas tradicionais. Nossa venda é uma decisão racional pelos elementos do projeto e da marca, pela alta valorização da fração imobiliária adquirida, pela capacidade de renda futura e pelos diferenciais de uso e intercâmbio do patrimônio”, explica Samuel Sicchierolli, presidente da VCI SA.

Nosso maior desafio agora é otimizar esses canais digitais da franquia para aumentar o patamar de vendas digitais, que no último mês registrou mais de R$ 18 milhões”, diz Samuel.

A VCI atua na incorporação, desenvolvimento, captação de fundos de investimento, construção e comercialização de empreendimentos hoteleiros de grande porte com marcas internacionais no Brasil no sistema de multipropriedade. Hoje, o portfólio conta com hotéis da marca Hard Rock, um em Fortaleza (CE) e outro no Paraná. Os dois já registram mais de R$ 600 milhões em vendas nos últimos 18 meses.

Propriedade compartilhada: a grande aposta imobiliária

A denominação multipropriedade imobiliária permite o compartilhamento de imóveis, com uso em tempo proporcional ao investimento. Na prática, um mesmo imóvel pode ser compartilhado com diversos donos e cada um deles pagar por apenas uma fração do valor total da propriedade. Além de ter escritura do imóvel individualizada, cada titular tem pleno direito sobre o bem em períodos pré-determinados.

O sistema e o princípio do contrato de tempo compartilhado são muito usados no mercado de turismo, mas outros segmentos como os mercados de carros de luxo, barcos, navios, iates e helicópteros particulares, casas de veraneio e resorts também estão adotando essa modalidade.

Alguns benefícios da multipropriedade contemplam a divisão proporcional de custos e despesas, mais liquidez financeira, otimização da utilidade do bem, acesso a bens de valores elevados, desembolso proporcional ao tempo de utilização do bem, direito de usufruir do bem em períodos determinados, possibilidade de remunerar o tempo em que o imóvel não for usufruído, geração de riqueza para outros investimentos, direito à propriedade e segurança jurídica.