Sem a proposta de salvar casamentos, a terapia de casal auxilia os casados a perceberem o que está gerando o conflito para que encontrem soluções juntos. A busca pela ajuda profissional no tempo certo pode fazer a diferença entre a melhoria relacionamento ou o fim dele

Naara Vale
naaravale@ootimista.com.br

A vontade de estar junto por mais tempo é um dos principais motivos que levam casais a darem o passo para o casamento. A alegria da convivência diária e todos os conflitos que advêm dela integram o pacote do sim. Com o isolamento rígido imposto pela pandemia da covid-19, essa balança ficou difícil de equilibrar. O diálogo ficou mais difícil e, para alguns, achar saídas para resolver os conflitos de relacionamento só está sendo possível com a ajuda da psicoterapia de casal.

É através dela que casais conseguem perceber melhor o que está gerando o conflito.  O terapeuta atua como mediador da relação e vai facilitar a busca por resoluções através do diálogo e exercícios passados para os envolvidos. “A função psicoterapia de casal é fazer com que o casal olhe para a sua forma de funcionamento atual e perceba o que não está girando bem”, explica a escritora e psicóloga Caroline Vieira, especialista em psicoterapia de casal e adultos.

Segundo ela, a terapia de casal é um processo de autoconhecimento e reconhecimento do outro e tudo o que o terapeuta vai sugerir é para que esse casal, sessão após sessão, se reconheça mais. Esse processo de (re)conhecimento se torna ainda mais necessário quando um dos dois ou ambos passam por mudanças significativas como a chegada de um filho ou a mudança de emprego.

“Isso é muito importante porque o casal de longa data acredita que já conhece o seu parceiro por terem uma história juntos e não leva em conta que, em muitos momentos, nós mudamos a nossa forma de atuar enquanto sujeitos. É necessário que a gente sempre se atualize e perceba qual é o parceiro que temos ao nosso lado naquele momento”, ressalta a psicóloga.

Terapia não é mágica

Dificuldade de comunicação, problemas com famílias reconfiguradas após segundo casamento, conflitos com familiares do parceiro e dificuldade em superar traições estão entre os motivos que mais levam os casais a procurarem a ajuda de um profissional. Com a estudante de psicologia Camila Cavalcante, foram os ruídos na comunicação com o marido que levaram o casal a procurar uma terapia em 2018, quando tinham pouco menos de três anos de casados, além dos três de namoro.

O problema, segundo ela, vinha desde o tempo de namoro, e com o casamento, ganhou mais força. “São pequenas coisas que a gente vai deixando passar, engole outra e uma hora não dá mais. A gente estava num momento de conflito, a nossa comunicação não funcionava de alguma forma e a gente precisava de alguém que pudesse traduzir o que um estava querendo dizer um para o outro”, lembra a estudante.

Camila conta que ambos foram ao consultório sem preconceitos e dispostos a acharem soluções juntos, o que, para ela, fez toda a diferença. “Era muito claro para gente que esse processo não seria a salvação do casamento. Podia ser que, durante o processo, a gente descobrisse que não iríamos ficar juntos. O que é muito difícil de digerir”, pontua.

No caso dela e do marido, a disposição para colocar em prática tudo o que foi conversado nas sessões da terapia evitou que os conflitos se agravassem e os dois seguem a caminhada juntos. Mas, de acordo com Caroline Vieira, é comum e normal casais descobrirem que não funcionam mais enquanto casal. “A proposta da terapia não é salvar casamentos. O terapeuta pode, inclusive, atuar após o término do casamento para que o ex-casal consiga se relacionar melhor para aprender a lidar com os filhos”, exemplifica a profissional.

Por outro lado, buscar ajuda profissional antes de haver um desgaste extremo pode ser crucial para a continuidade da relação. “Muitas vezes os casais só buscam quando não estão aguentando mais, quando já está num nível de insatisfação extremamente alto. Isso é muito difícil porque a terapia de casal em si já exige um investimento de energia muito grande, então, quando o casal já vem muito desacreditado daquela relação, acontece muitas vezes de não ter mais energia e acaba desistindo mesmo”, explica a especialista.