Um dos grupos mais tradicionais do Ceará no mercado automobilístico, Palácio de Queiroz, acabar de concluir um processo de expansão com a aquisição de duas novas concessionárias. Fundado em 1966, é dono de cinco concessionárias Volkswagen (três em Fortaleza, uma em Juazeiro do Norte e outra em João Pessoa – PB), uma de motos Honda, postos de gasolina Famas e desde o começo de novembro, da Audi Center em Fortaleza e São Luís (Maranhão).

Comandado pelo empresário Sílvio Palácio, o grupo prepara agora novas lojas na sua sede, na avenida Heráclito Graça. Em 2020, tanto Audi quanto Volkswagen vão dividir o mesmo quarteirão em lojas completamente renovadas.

As novas concessionárias devem vender “entre oito e dez carros novos por mês em São Luiz e entre 18 e 20 em Fortaleza”, prevê Sílvio. Atualmente vendendo uma média anual de 1,8 mil carros novos, 1,5 mil usados e cerca de cinco mil motos novas.

Outro aspecto que deve mudar no grupo é a interação com o cliente na esfera virtual. “Vamos fortalecer a área digital, é o desafio de todo negócio hoje em dia e estamos desenvolvendo a digitalização, seja de processos, seja de comunicação com o cliente. Hoje de 60% a 70% dos consumidores já fizeram as suas pesquisas pela internet, o desafio é tentar atrair os clientes para as nossas empresas através delas”, afirma.

A Audi Center Fortaleza vai mudar para o mesmo espaço da atual Fazauto? Como será a divisão das lojas? 

Inicialmente teremos uma loja provisória, até que a gente finalize o projeto para executar a obra da loja definitiva, na Heráclito Graça esquina com Barão de Aracati. Vai ser uma loja totalmente nova, dentro dos padrões mais atuais que a montadora tem, com 1,8 mil m² e todo o conforto e o requinte que o consumidor da Audi merece.

Então a Fazauto também vai mudar?

A Fazauto vai ficar ao lado, são 14 mil m² de terreno. Será o show room da Audi e a nova concessionária da Vokswagen será ao lado, toda no conceito modular, como as lojas mais modernas da marca, e na esquina da Idelfonso Albano, será a parte de seminovos.

Sílvio Palácio comanda grupo com 53 anos de tradição

Como foi a decisão de investir na aquisição de uma marca premium como a Audi em duas cidades, simultaneamente?

Nós passamos por um processo sucessório há quatro anos e o planejamento dessa sucessão mostrou que precisávamos expandir um pouco as nossas operações para diluir os custos e tirar melhor proveito dos imóveis que temos, que são áreas grandes. Ficamos atentos para comprar concessões, foi quando surgiu a oportunidade de comprar uma revenda Vokswagen em Juazeiro do Norte no ano passado e no começo desse ano veio a Audi de Fortaleza e São Luiz.

Audi e Volkswagen têm públicos distintos, mesmo sendo marcas irmãs. A experiência de décadas do grupo Palácio de Queiroz com Volks vai ajudar com o segmento premium, da Audi?

Temos no nosso DNA a questão da satisfação do cliente, a preocupação em servir e servir bem. Isso é válido para qualquer consumidor, independente do valor do carro. Essa premissa nos favorece para trabalhar em todos os segmentos e a Volkswagen tem uma linha premium também, com produtos de preço e valor agregado semelhantes a marcas de luxo, então não é uma coisa totalmente nova pra gente, sabemos o que esse cliente espera e vamos atender todas as expectativas. No nosso caso as duas marcas estarão no mesmo terreno, mas em lojas separadas, ambas nos padrões mais modernos de cada uma.

A de São Luiz é a primeira loja do grupo no Maranhão?

É a primeira lá, a loja permanece no mesmo prédio onde está localizada, vamos apenas adequar. A expectativa é positiva, um mercado com potencial de consumo e onde os consumidores gostam de carros com valor agregado, devemos fazer um trabalho lá também.

Você espera que haja um aumento na venda de carros novos em 2020?

A gente espera um certo crescimento, tanto pela melhora da economia no País, quanto pela quantidade de lançamentos, porque a Audi vai reforçar a linha de SUVs, que é o segmento que mais cresce no mercado. A gente vem numa crescente desde 2017, esperamos novos carros a partir de abril e são carros com expectativas de volumes bons.

Nesse planejamento feito na época da sucessão, há previsão de investimentos em outros setores além de carros e imóveis?

Por enquanto não, queremos fortalecer os negócios que já temos, agregando valor aos imóveis e as concessionárias que já temos. Existem algumas sondagens em relação a incorporação de imóveis, mas por enquanto não enxergamos nenhuma oportunidade nesse sentido. A gente espera agora consolidar as aquisições que tempos feito, porque junto com elas vem outros investimentos nos imóveis, nos pontos de vendas. Fizemos em 2019 a atualização da Ceará Motor da Pontes Vieira e em 2020 Audi e Fazauto.