Locais na capital onde se pode pegar e deixar livros, caravana pelo interior, bliblotecas comunitárias e sebos ampliam as possibilidades de incentivar a leitura entre crianças e adultos; leitura ainda é desafio no Ensino Médio

Maurício Moreira
mauiriciomoreira@ootimista.com.br

Democratizar o acesso à leitura é um dos principais desafios para o Ceará. O Estado tem apenas 27% de aprendizagem adequada em Língua Portuguesa no Ensino Médio – embora o mesmo índice chega a 65% no Ensino Fundamental – de acordo com o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), cujo dado mais recente é de 2017. Para suprir essa carência, Poder Público e sociedade civil têm organizado uma série de ações de incentivo à leitura, e não apenas voltadas para jovens e crianças, mas também para adultos.

A VI Caravana da Leitura e do Autor Cearense, organizada pela Companhia Prisma de Artes por meio de um edital da Secretaria da Cultura (Secult) e apoiada pela Enel, é um deles. O projeto passa 30 dias em cada município em uma formação com professores para dinamizar a abordagem das obras de um autor cearense selecionado e encerra a passagem com um encontro entre o autor e as crianças, com atividades manuais, oficina de desenho e contação de histórias. “É uma valorização dos nossos autores, tornando-os mais acessíveis às crianças, novos leitores e que podem se tornar autores também”, explica a coordenadora do projeto, Luísla Carvalho. A iniciativa está atualmente em Piquet Carneiro e deve passar ainda por Sobral e Madalena.

Já o Leitura na Praça, encabeçado pela primeira-dama de Fortaleza, Carolina Bezerra, instalou 12 quiosques em praças de Fortaleza – a previsão é chegar a 60 até – cada um com cerca de 400 livros infanto-juvenis que abordam temas como solidariedade, ecologia, cidadania, sonhos e criatividade. A estrutura e do quiosque é garantida pela Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), mas a administração do espaço fica a cargo da comunidade da região, que recebe capacitação da secretaria.

Na Praça da Conquista, no bairro Vicent Pinzon, uma das responsáveis pelo quiosque do projeto é a empresária Solange Alves. “As crianças leem e assim saem um pouco da internet, do celular, voltam a se interessar pelo livro”, garante.

Já o projeto Terminal Literário, também da Prefeitura de Fortaleza, abastece de livros, a cada 15 dias estantes, instaladas nos terminais de ônibus. Basta escolher um exemplar, levar para casa e devolver após o término da leitura. O projeto aceita doações de livros nas próprias prateleiras do projeto, nos Mercadinhos São Luiz e nas secretarias regionais.

Para além de praças e do transporte público, o Hospital Geral Waldemar Alcântara (HGWA) também incentiva seus colaboradores ao hábito da leitura. Há quase três a instituição mantém o projeto Biblioteca Itinerante. A ação expõe livros todas as quartas-feiras em locais de grande circulação diferentes do prédio. Os colaboradores podem escolher o livro que quiserem para a letura, com prazo de devolução de 15 dias, que pode ser renovado por igual período. A gerente de risco do HGWA, Djane Filizola, idealizadora do projeto, acredita que além dos colaboradores, o projeto, através do hábito da leitura, pode superar as paredes do hospital. A Biblioteca Itinerante recebe doações e conta hoje com acervo de 187 livros.

Livros acessíveis

Enquanto grandes livrarias e editoras travam uma batalha contra o avanço da era digital, os universitários Giovanna Damasceno (Letras) e Gabriel (Arquitetura) vão ganhando espaço com o Lindo Sebo Delirante, um sebo digital que já tem três anos e que surgiu quando Giovanna foi demitida de outro sebo. Ambos são filhos de empreendedores e passaram a “garimpar” obras na internet e montar o próprio acervo, fazendo também a própria curadoria do material.

“Desenhamos um lugar na internet que não se limita a venda dos livros, mas a gerar discussões e promover o incentivo a leitura”, conta Gabriel. Para Giovanna, através do meio digital, o Sebo Delirante “acaba atingindo um público que talvez nós não teríamos conquistado ainda em Fortaleza, e isso aconteceu através da Estante Virtual”. No espaço físico, que funciona na loja compartilhada Revival Brechó, a procura maior é por livros esgotados, de autores que não são mais editados. Já pela internet, os livros mais vendidos são de Literatura Estrangeira, História e Filosofia.

Livro Livre
Outra iniciativa é o Livro Livre Curió, que atua no Bairro Curió, em Fortaleza, na casa do fundador da biblioteca comunitária, Talles Azigon, conta que a ideia surgiu durante um curso que ministrou na Universidade Federal do Ceará (UFC) sobre Eventos Literários. Lá, conheceu Anitta Moura, responsável por trazer o movimento Livro Livre para o Ceará. Inspirado pelo movimento, Talles deu inicou à biblioteca com seu acervo pessoal e através da doação de amigos. “Junto com minha mãe, minha irmã e  meu companheiro, começamos a fazer ações de mediação, e atividades diversas, como Colônia de Férias, Saraus e outras atividades, hoje mantemos o nosso clube de Leitura, oficinas e muitas outras atividades que sempre relacionamos ao Livro, principalmente ao nosso acervo”, diz.

No Livro Livre Curió Biblioteca Comunitária, os livros são livres, como antecipa o nome. Não é necessário qualquer cadastro ou prazo de entrega e o objetivo, assim como disse Viviane Siade, é fazer o livro circular, ser lido. Talles fala ainda que, no início, sua mãe não aderiu à ideia. “Estou fazendo isso porque eu acredito nisso. Porque eu não tive isso quando era criança, como é que eu fazia para ter acesso a um livro, não tinha acesso ao livro. E a mãe, que inicialmente ficou meio ressabiada, atualmente é a pessoa que mais cuida da biblioteca”.

Serviço
A Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza administra três bibliotecas: Biblioteca Pública Municipal Dolor Barreira, Biblioteca Pública Infantil Herbênia Gurgel e Biblioteca Pública Cristina Poeta.

Acervo:

Biblioteca Dolor Barreira: 21 mil títulos        

Biblioteca Herbênia Gurgel: 4 mil títulos

Biblioteca Cristina Poeta: 9.500 Títulos

Interessados em empréstimos de livros nas bibliotecas municipais precisam fazer cadastro presencial, tendo em mão xerox do RG, CPF, comprovante de residência e uma foto 3×4.