Consolidado como um dos principais destinos turísticos da Europa, com quase 13 milhões de turistas estrangeiros em 2017 (o dobro do Brasil), Portugal pretende ampliar ainda mais a gama de opções para os visitantes e fortalecer atrativos não tão tradicionais assim, como os de inverno, por exemplo.

Com temperaturas um pouco menos severas do que o resto da Europa Ocidental, Lisboa e Porto, as duas maiores cidades de Portugal, costumam ser ótimos destinos no período que vai de novembro (final do outono) a fevereiro. Mesmo sendo os meses mais chuvosos, é uma das melhores épocas para se conhecer as cidades. Por ser baixa estação, os museus estão com menos filas, as ruas decoradas por conta do período natalino e, principalmente em Lisboa, há um cheiro peculiar de amêndoas assadas, uma iguaria típica.

Falando em iguarias, os restaurantes típicos costumam preparar menus com pratos mais fortes, adequados para o clima, tais como Francesinha (sanduíche de bife bovino com fiambre, presunto e salsicha fresca, coberto com queijo derretido), Bacalhau com Natas, Cozido à Portuguesa, Caldeirada de Peixe, Caldo Verde e vários outros. Além disso, Portugal tem 26 restaurantes estrelados no prestigiado Guia Michelin, sendo cinco na capital e três no Porto.

Pensando nestas e nas muitas outras possibilidades para curtir o verão lusitano, a operadora portuguesa Tempo VIP e a cearense Casablanca Turismo formataram vários pacotes de experiências, tanto individuais quanto para grupos. Na capital, as opções vão desde passeio em Tuk Tuk, pequenos veículos tradicionais na Ásia capazes de chegar a cantos como ladeiras e vistas das sete colinas de Lisboa que os meios de transporte tradicionais não são capazes de chegar; tour em bonde privativo, com pastéis de Belém e vinho do Porto a bordo; visitas guiadas à oficinas de azulejaria, uma ótima pedida para as famílias, já que os visitantes confeccionam os azulejos que vão levar de recordação; e a cooking class de doçaria portuguesa, onde os visitantes se deliciam com os doces tradicionais e aprendem a fazê-los.

Outra experiência é, a partir de Lisboa, sobrevoar a região litorânea de Cascais e Estoril até o Cabo da Roca (ponto mais ocidental da Europa), voltando por Sintra, para visitar os palácios e a tradicional vila, que abriga belos exemplares da arquitetura portuguesa, como o Palácio Nacional da Pena (Mosteiro de São Jerônimo), uma das Sete Maravilhas de Portugal e tombado como patrimônio histórico da humanidade pela Unesco.

Já no Porto é preciso se preparar um pouco mais para o frio do que em Lisboa: a cidade é ligeiramente mais fria, mas por ser bem mais úmida e ventilada, a sensação térmica pode ser de frio intenso, mesmo que os termômetros dificilmente marquem abaixo de 7º C. Uma das experiências que a Tempo VIP e a Casablanca Turismo oferece por lá é a visitação nas vinícolas, onde os turistas elaboram seus próprios lotes e degustam os vinhos, podendo ainda harmonizar com as iguarias típicas da região. No Porto também são utilizados os Tuk Tuk, que fazem um circuito diferente do comum, levando da beira do rio Douro até o Alto da Sé e o Mosteiro dos Jerônimos por dentro da cidade (o tour também pode ser feito de helicóptero, alongando mais a visita às margens do Douro). Já as cooking class do Porto são voltadas para grupos inteiros e abrangem não apenas doces, mas toda a culinária tradicional portuguesa.

A companhia aérea portuguesa TAP oferece voos diretos entre Fortaleza e Lisboa seis vezes por semana (todos os dias, exceto quarta-feira), com sete horas de duração. Trata-se da rota internacional mais antiga em funcionamento, com quase 21 anos ininterruptos.