Aclamado pela crítica, Spencer chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (27). Longa protagonizado por Kristen Stewart retrata a princesa Diana nos últimos dias de casamento com o príncipe Charles e sua luta para se livrar do fardo das obrigações da realeza 

Danielber Noronha 

danielber@ootimista.com.br

Ao longo das décadas, foram várias as tentativas de recontar momentos da conturbada vida de Diana Frances Spencer – a Lady Di -, esposa do Príncipe Charles, primogênito e herdeiro da Rainha Elizabeth II. Chegou a hora de ver mais uma obra com esta premissa: Spencer, longa que estreia nesta quinta-feira (27) e promete um novo olhar sobre um dos rostos mais conhecidos da cultura contemporânea e pivô muitas dores de cabeça à família britânica.

Quem assume o manto da vez é Kristen Stewart. A rasgação de seda à atuação dela tem sido o ponto alto das críticas do filme. Ela, inclusive, foi indicada ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz em Drama, mas perdeu o páreo para Nicole Kidman. Há expectativa também para a presença dela no Oscar 2022. Os indicados, porém, só serão anunciados no próximo dia 8 de fevereiro. Durante a preparação, a estrela contou à imprensa que encontrou semelhança entre ela e Diana, fazendo brotar uma conexão maior com a personagem.  “Assim que consegui entendê-la e construir um relacionamento com ela por meio da minha pesquisa, não pude acreditar como era fácil amá-la”, define Kristen. O diretor Pablo Larraín afirma que ela era a preferida para o papel antes mesmo de o roteiro ser construído.

Feriado conturbado 
Se apresentando como uma “fábula de uma verdadeira tragédia”, o longa se passa durante três dias, no Natal de 1991, em Sandringham – um dos castelos dedicados às férias da família real. O luxo é usado como pano de fundo para mostrar a tensão entre Diana, o príncipe Charles (Jack Farthing), a rainha e o resto da família. Indisposta diante das inúmeras regras do jogo de aparências, Diana entra em profunda crise, enquanto tenta decidir entre se separar de Charles ou seguir com o casamento apático. Além de Kristen e Farthing, o filme é estrelado por Timothy Spall, Sean Harris e Sally Hawkins.

O filme começa mostrando toda a pompa e circunstância dos eventos da realeza britânica, para depois apresentar Diana em um carro mais simples, despida de muitas regras de etiqueta. Este é um dos muitos artifícios do filme para mostrar como, àquela altura, Diana já não se encaixava mais no retrato da família de Charles. Além disso, tudo incomodava os parentes, dos trajes escolhidos à forma de se portar durante um jantar. Soma-se a isto a ordem para sorrir e acenar sempre em frente às câmeras. Tudo a deixava ainda mais sufocada.

Polêmicas
Spencer chega em um momento onde a imagem da família real já não é mais tão imponente quanto há duas décadas. Basta lembrar da ruptura que ocorreu na prole em fevereiro do ano passado, quando foi oficializado que o príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle, não faziam mais parte da família real britânica. A coisa piorou quando o casal concedeu uma entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, em março do mesmo ano. Em um dos trechos, Meghan declarou que havia preocupação no Palácio de Buckingham quanto ao tom de pele que a filha dos dois poderia ter. A também atriz é filha de mãe negra e pai branco. Entre outras declarações polêmicas, ela disse ter chegado a ter ideias suicidas enquanto exerceu o papel monárquico.

Em 2020, o nome da família também esteve em alta por conta do sucesso da série The Crown, produção original da Netflix. A repercussão estava sendo tão grande que o secretário de Cultura do Reino Unido, Oliver Dowden, escreveu uma carta para a gigante do streaming na qual solicitava que a empresa avisasse seus assinantes que a produção é “parcialmente uma obra de ficção”. Seria Spencer o novo capítulo para mais revelações sobre as relações da família real? A partir desta quinta será possível tirar a prova!

Serviço:
Spencer
Filme sobre a princesa Diana estreia nesta quinta (27), nos cinemas brasileiras