Mano Alencar, Totonho Laprovitera e Mino Castelo Branco integram o grupo de artistas plásticos da exposição “Ideal das Artes”, cuja abertura será realizada nesta quarta em comemoração aos 90 anos do clube. Parte da venda das obras vai para a Santa Casa de Misericórdia

Emanuel Furtado
emanuelfurtado@ootimista.com.br

O aniversário de 90 anos de um dos espaços sociais e culturais mais tradicionais da capital cearense, o Ideal Clube, será celebrado com muita arte e solidariedade.  Nesse clima de comemoração, o clube realiza nesta quarta-feira (15) , a abertura da exposição coletiva “Ideal das Artes”, somente para convidados. O encontro está marcado no salão Edson Queiroz, às 19 horas. No dia seguinte, quinta-feira (16), a mostra será aberta ao público e segue até o dia 30 de setembro.

A exposição conta com 30 pinturas dos artistas plásticos cearenses Mano Alencar, Totonho Laprovitera e Mino Castelo Branco. Na mostra, cujo projeto traz a assinatura do arquiteto Rodrigo Porto – cada artista apresentará 10 obras. Parte da venda delas será destinada à Santa Casa de Misericórdia. A curadoria foi feita pelo professor Randal Pompeu.

Presente na ação cultural, o  artista plástico e colunista do O Otimista, Totonho Laprovítera, conta que na mostra “Ideal das Artes” apresentará dez obras inéditas. “Elas são vinculadas a significados existenciais: peixes, quando avistamos o mar de onde a vida surgiu; e pássaros, quando o céu nos aponta para onde o tempo voejar a mil infinitos”, comenta Laprovitera.

Segundo ele, está sendo uma honra participar de uma exposição comemorativa de nove décadas do Ideal Clube. “É um patrimônio histórico-cultural de Fortaleza, de precioso valor material e imaterial. Há 90 anos o Ideal Clube tem sido uma das melhores referências da sociedade fortalezense. Participar dessa exposição alimenta a minha alma de artista e areja o meu espírito de vivente que, aceso, respira arte e cultura”, destaca o artista plástico.

Sobre a importância do papel social da exposição, já que parte da venda das pinturas dos três artistas plásticos irá para a Santa Casa de Misericórdia, Totonho Laprovítera diz que, assim como “o conhecimento e o bem”, a arte só vale a pena quando é compartilhada. “Nessa ação de solidariedade, nós artistas cremos que ninguém é feliz sozinho. Dessa forma, que a importância desse ato vá muito além da pecúnia e seja exemplo de multiplicação de amor ao próximo”, diz ele. “A Santa Casa de Misericórdia é uma benção de Deus!”, complementa. 

História sócio-cultural

Fundado em 1931 por doze visionários, em frente aos verdes mares da capital cearense, o Ideal Clube foi um ousado projeto que chegou para movimentar o lado social da cidade, com a fundação de um clube moderno, principalmente para a época. Já se foram 90 anos, desde sua presença na avenida Monsenhor Tabosa.

Palco de grandes festas e reuniões sociais, o tradicional clube teve como seu primeiro presidente o médico Pedro Sampaio. “Os banhistas saíam do tanque sentindo-se rejuvenescidos, proclamando às excelências da água milagrosa e com exclamações como: isto é maravilhoso. É uma delícia. É o ideal! E, de tanto repetir essa expressão, o clube recebeu o nome de Ideal”, escreveu Pedro Sampaio para historicizar a origem do nome do clube.

Serviço:
Lançamento da exposição “Ideal das Artes”, em homenagem aos 90 anos do Ideal Clube
Nesta quarta (15), para convidados. Aberta ao público nesta quinta (16), e segue até dia 30 de setembro
Visitação de segunda a sábado, de 10h às 20 horas / domingo, de 10h às 17 horas
Sede do Ideal Clube (avenida Monsenhor Tabosa, 1381)