Fim de semana chegou, que tal aquela carne deliciosa? O Otimista traz dicas para você fazer o churrasco perfeito, da escolha do que será servido à degustação

Naara Vale
naaravale@ootimista.com.br

Reunir a família no fim de semana para um churrasquinho com uma cerveja gelada e bom demais, né? Quando tem um voluntário que ama ficar na churrasqueira, melhor ainda. Mas que tal você mesmo aprender a fazer o churrasco? O Otimista pediu dicas para a especialista Louise Benevides, chef-executiva do grupo Geppos, que comanda o restaurante Cabaña Del Primo. Confira!

Antes do churrasco   

A preparação do churrasco começa antes mesmo do dia de acender o fogo. O primeiro passo é saber o número de pessoas para estimar a quantidade de carne e aperitivos a ser comprada. Segundo Louise Benevides, o quantitativo vai depender da duração do churrasco, mas, normalmente, calcula-se em torno 350 gramas de carne ao todo por pessoa. Se der, deixe a compra a cargo de uma única pessoa – o churrasqueiro, de preferência -, assim será garantida a variedade das carnes.

A escolha com antecedência do que será servido é essencial. “Normalmente, tem uma composição de aperitivos, como linguiças, costelinhas, coxinhas de frango, pão de alho… Não se faz o churrasco só de carne porque existe uma variação de paladar entre os convidados e também, sendo para mais pessoas, para que não se torne muito caro”, lembra a chef.

Na hora da compra, importante observar a qualidade das carnes. A picanha, que costuma ser a peça principal, deve ter, no máximo, 1.400kg e uma camada de gordura com altura o mais igual possível de uma ponta a outra. “É bom observar também a origem. As picanhas argentinas e australianas são muito boas e mais facilmente encontradas no mercado”, diz Louise.

Com o preço das carnes nas alturas, uma alternativa à picanha é a maminha ou o cupim, que tem um tempo de cozimento maior e precisará de mais horas no fogo. Além dos aperitivos tradicionais, uma dica é apostar nos legumes assados na churrasqueira: corte-os em pedaços grandes e tempere-os a gosto (sugestão: alho, cebola, pimenta do reino, tomilho e louro em pó, sal e azeite). Em lojas especializadas você encontra uma assadeira específica para isso.

Preparo das carnes

Apesar do sal grosso ser o tempero básico para a maior parte das carnes, a chef indica marinar algumas delas um dia antes para que peguem mais sabor. “Suíno, carneiro e cordeiro são interessantes que se faça uma marinada. Normalmente faz-se com alho, ervas frescas (tomilho, alecrim ou de acordo com o que você gostar), vinagre, um pouco de azeite e sal. No cordeiro e carneiro, eu gosto de tirar o vinagre e colocar vinho tinto. Pode colocar também especiarias, se quiser”, ensina a chef.

Já as carnes que só levam sal grosso, só devem ser salgadas imediatamente antes de irem ao fogo para que o sal não desidrate a carne. Os passos são: coloque o sal grosso em uma bandeja, coloque a peça sobre o sal dos dois lados e leve ao fogo. Se após assada, a crosta de sal ainda estiver na peça, pode dar uma batidinha para tirar o excesso.

Hora do fogo

De acordo com a chef Louise Benevides, o fogo deve ser acesso pelo menos uma hora antes de colocar as carnes na churrasqueira. É o tempo para as labaredas subirem e baixarem, queimando o carvão até que ele atinja o ponto de brasa. A altura da grelha também é importante. Quanto mais alta ela ficar, mais lentamente a carne será assada e mais suculenta ela ficará. “Quem vai definir isso é o tempo que você quer servir o churrasco, mas o ideal é que você comece com a grelha em cima e, na hora que quiser servir, desce a carne”, orienta a especialista.

Ela destaca também a importância de ir pincelando a carne com a gordura que vai derretendo da própria picanha ou com banha de porco para dar mais sabor e suculência. Já com a linguiça, o desafio é ficar sempre virando-a sem furá-la para mantê-la hidratada.

Já a ordem para servir os preparos ficará ao gosto do cliente. O mais comum é que os aperitivos cheguem primeiro à mesa e depois as carnes mais nobres, que costumam ser o prato principal do almoço. Porém, é preciso ficar atento: se todo mundo estiver de barriga cheia logo no começo, corre-se o risco das carnes mais gostosas ficarem esfriando sobre as mesas. E aí, #partiufazerchurrasco?