Inspirado nos treinamentos militares, o bootcamp tem atraído milhares de praticantes que estão trocando as salas de musculação por uma atividade mais dinâmica e rápida, com resultados muito eficazes na saúde e na forma física

Texto:Naara Vale
naaravale@ootimista.com.br
Foto: Edimar Soares

Do inglês, bootcamp significa campo de treinamento. E é de lá quem vem esse novo tipo de treino que está despertando os olhares dos apaixonados por exercícios físicos e, principalmente, daqueles nem tão apaixonados assim, mas que sabem da necessidade de se exercitar e podem encontrar no bootcamp uma forma rápida, divertida e eficaz de deixar a saúde em dia e manter o corpo em forma.

A modalidade é inspirada nos treinamentos militares americanos e, tal como visto nos filmes de guerra, demandam do praticante uma alta performance de rendimento, desafiando-o a chegar sempre no limite ou a se superar.  Os treinos têm como principal característica desenvolver o condicionamento físico, misturando exercícios cardiovasculares intensos, como corrida com obstáculos, remadas e burpees, com outros de força, como levantamento de pesos, flexões e a utilização do peso do próprio corpo nos movimentos.

Trabalhados em formato de circuito, os treinos de bootcamp são rápidos, porém, intensos. O dinamismo da prática tem atraído milhares de pessoas que não têm tempo nem disposição para gastar horas numa sala de musculação. As mudanças no corpo também não costumam demorar muito, uma vez que, além de trabalhar a musculatura de uma forma global, acelera a queima de gordura. Não à toa, beldades como a socialite americana Kim Kardashian e a cantora pop Ellie Goulding se renderam ao bootcamp.

Segundo o personal trainer Ton Pontes, gerente-técnico da Rede Greenlife, que em setembro de 2019 inaugurou a modalidade em Fortaleza, as aulas de bootcamp trabalham as principais valências físicas (condicionamento cardiorrespiratório, resistência muscular, flexibilidade, fortalecimento dos músculos abdominais – CORE), além de gerar uma grande queima calórica, que atinge uma média de 500kcal/aula.

“Por ser uma atividade bem dinâmica e motivante, costuma gerar resultados mais rápidos por conta da aderência dos alunos à prática. A grande maioria não tem tanta identificação com a musculação, e o modelo torna a aula mais atrativa”, diz o professor.

Conforme o profissional, apesar de ser um treinamento de alta performance, não há contraindicação para a prática do bootcamp.  Gestantes, crianças, idosos e até pessoas com problemas de coluna podem praticar a modalidade, desde que previamente avaliados e liberados por um médico. Mesmo sendo aulas coletivas, os exercícios podem ser adaptados de acordo com as restrições de cada aluno. O respeito ao próprio limite e ser acompanhado por bons profissionais é o que vai garantir a sua segurança.