Neste sábado (15), o Carnaval da Saudade do Náutico realiza a sua 53ª edição. Carnavalescos como o arquiteto Paulo Régis já estão se preparando para invadir a festa com a animação de seus blocos

Texto: Naara Vale
naaravale@ootimista.com.br
Foto: Beatriz Bley

Quem nasceu com o Carnaval fervendo na porta de casa, não tinha como fugir dele. As cores, o som, a alegria da festa fazem parte da vida do arquiteto Paulo Régis desde o nascimento. “Eu sou um carnavalesco doente. Eu nasci na [rua] Senador Pompeu, com o palanque do Carnaval montado na minha porta. O maracatu entrava na minha casa para comer e beber”, conta.

Quando Paulo Régis chegou à adolescência, passou a reunir os amigos para montar os próprios blocos de carnaval e desfilar pelos clubes de Fortaleza. Foi nessa época, por volta de 1972, que surgiu o “Dragões”, um dos blocos de carnaval de clube organizados por Paulo. Depois de anos adormecido, em 2008, o bloco foi resgatado e, desde então, todos os anos, o arquiteto reúne familiares, amigos de infância e amigos de amigos para desfilarem no Carnaval da Saudade do Clube Náutico Atlético Cearense.

Com blusa personalizada e estandarte na mão, o grupo já chegou a reunir 76 componentes uniformizados. Neste sábado (15), quando acontece a 53ª edição da festa, os Dragões estarão (até agora) com 36 componentes. “Há 11 anos eu não perco uma edição. Para quem gosta de carnaval, é bom demais”, festeja o arquiteto.

Carnaval da Saudade

Realizado pela primeira vez em 1968, o Carnaval da Saudade do Náutico se tornou uma das mais tradicionais e esperadas festas mominas de Fortaleza.  Tanto que, todos os anos, sempre um sábado antes do Carnaval, o ciclo carnavalesco da cidade é oficialmente aberto durante o evento, com o prefeito simbolicamente entregando a “chave da cidade” ao Rei Momo. Segundo o presidente do clube, Jardson Cruz, o evento reúne uma média de 2.500 pessoas por ano.

Com o tema “Vou Festejar”, em homenagem à cantora Beth Carvalho (1946 – 2019), a 53ª edição terá na programação musical a orquestra Brasa Seis, que iniciará às 23h e deve seguir até 5h da manhã, com marchinhas, frevos e sambas. “É uma festa diferente, tradicionalíssima, onde só tocam músicas tradicionais antigas. É um resgate dos tempos áureos do Carnaval”, explica Jardson Cruz. A assinatura do buffet este ano ficou a cargo do L’Escale.

Anualmente, a festa realiza também homenagens a personalidades que fizeram parte da história do clube. Uma delas será a miss-Ceará eleita em 1967, Cláudia Maria Saraiva César, que representava o Náutico à época. Ela vai receber o Troféu Marta Rocha das mãos do bicampeão brasileiro infantil de natação, Victor César Sá. O ex-presidente homenageado em 2020 será Jorge Pedro Medeiros. E a terceira homenagem irá para Pio Rodrigues (in memoriam), representado pela filha Edyr Rolim.

Para animar ainda mais a noite, o Carnaval da Saudade realiza também o concurso de melhor fantasia e de melhor bloco. É ai que entra todo o empenho e animação de Paulo Régis, sua turma e tantas outras famílias que se vestem de alegria para festejar. “O Carnaval da Saudade é o encontro de gerações. Têm famílias que começaram com o avô, passou para os filhos e hoje estão com os netos”, define Jardson Cruz.

SERVIÇO:
Carnaval da Saudade do Náutico
Sábado (15), a partir das 22h
Clube Náutico Atlético Cearense (av. Abolição, 2727)
Mesa de 4 lugares para não-sócio – R$ 1300 (setor ouro) e R$ 1220 (prata)/ Sócio – R$ 860 (ouro) e R$ 780 (prata).
Vendas na sede do clube ou Casa dos Relojoeiros dos shoppings Iguatemi, Aldeota, RioMar Papicu e loja Centro.
Mais informações em (85) 3242.4310 ou (85) 3242.9300