Janeiro e fevereiro é, para muitos foliões, tempo de iniciar os treinos físicos ou mesmo intensificar. Conversamos com especialistas sobre ritmo, alimentação e limites 

Texto:Kelly Hekally
[email protected]
Foto: Edimar Soares

Para muitos foliões, o Carnaval arrasta consigo uma preocupação que vai além da agenda de festas: o corpo. Segundo educadores físicos ouvidos pelo O Otimista, a intensidade de alunos em busca de exercícios físicos nos dois primeiros meses do ano acontece tanto por matrículas como por retorno às atividades.

Mas é possível mesmo consolidar a meta de emagrecer ou “ganhar corpo” em aproximadamente 40 dias? Para o educador físico Sousa Filho, da Smart Fit, sim, desde que haja assiduidade do aluno na academia aliada a um compromisso alimentar, uma vez que 60% do resultado depende de uma dieta responsável. “A maioria dos alunos nos procura para aumento de massa magra e perda de gordura localizada,” diz o pós-graduado em Fisiologia do Exercício, Treinamento Desportivo e Nutrição Esportiva.

Também educadora física, Larissa Almeida, da AYO Fitness, pontua que, em treinos intensos, há resultados de curto prazo, mas que o ritmo, contudo, não é o ideal. ” O resultado vem caso o aluno esteja sendo bem acompanhado, seguindo a dieta”. Larissa pondera que o acompanhamento com endocrinologista, nutrólogo e nutricionista, é parceiro do desafio.

Grãos e frutas 

A alimentação precisa estar alinhada ao perfil de cada aluno, detalha a nutricionista Fernanda Moreira. Alimentos básicos, porém, podem estar incluídos na dieta – grãos integrais e frutas, em substituição inclusive aos sucos, para que haja melhor absorção de fibras.

“O ideal é que se evite açúcares refinados, carboidratos finos, alimentos industrializados. O excesso de doces e refrigerantes é também maléfico, acrescenta Fernanda, pós-graduada em Nutrição Esportiva e Nutrição Clínica e Funcional. Acerca da água, a nutricionista explica que não há líquidos que possam substituí-la e que o ideal é que, durante a atividade física, haja consumo de 300 ml, a depender da intensidade do treino.

Limites

De acordo com o ortopedista e traumatologista Rodrigo Astolfi, atividades como caminhadas são importantes para a introdução a atividades físicas. “Esse exercício não é tão leve quanto se imagina, pois sobrecarrega bastante as articulações dos membros inferiores.”

A dor é o primeiro sinal de alerta. Segundo Astolfi, é normal após os treinos sentir dor nos músculos e não nas articulações. Mas, como quase todo exercício cujo objetivo seja ganhar massa muscular gera alguma dor, o parâmetro da dor é se ela é tolerável.

Acerca da quantidade ideal de treinos semanais, Sousa Filho explica que depende do condicionamento de cada aluno e se há restrições físicas. Astolfi sugere que eles aconteçam três vezes por semana, com tempo de 30 a 40 minutos.

Chás

Se a ideia for apegar-se a chás diuréticos, aposte no cavalinha, carqueja ou centelha asiática. Há, ainda, os estimulantes, os chás verdes. Aqui, contudo, vale alerta: ele não é recomendado para pessoas com sensibilidade à cafeína.