No litoral, o azul do Mediterrâneo e as badalações, principalmente de abril a agosto, quando o verão começa a dar as caras na Europa. No interior, campos de lavanda e girassóis que inspiraram mestres da arte como Gauguin e Van Gogh. Por toda parte, charmosos vilarejos com ruelas de pedra, construções medievais e bons vinhos. Assim, é praticamente impossível não se apaixonar pelo Sul da França, mais ainda porque em uma única viagem é possível conhecer a Riveira Francesa, Provence e Bordeaux.

A Côte D’Azur, como é chamada a Riviera, tem cerca de 180 km de extensão, entre Toulon e a fronteira com a Itália e guarda destinos como Nice, Cannes, Saint Tropez e o principado de Mônaco. Nice, tida como a metrópole da Riviera (sua região metropolitana tem mais de um milhão de habitantes), pertenceu à Itália até 1860, e a influência italiana pode ser percebida tanto na arquitetura quanto no modo de viver. A cidade também tem uma relação histórica com a arte: já abrigou artistas como Pablo Picasso e Henri Matisse.

Saint Tropez passou de uma vila de pescadores, tradicional e rústica, para um dos mais badalados destinos do mundo a partir do anos 1950, quando a praia ficou associada a Brigitte Bardot (que ainda possui casa lá). Apesar dos iates e veleiros que abarrotam a praia no verão (em algumas semanas o fluxo ultrapassa 100 mil pessoas), é uma cidade calma e charmosa ao longo do ano.

Mônaco dispensa apresentações. O minúsculo país é lar de abastados do mundo inteiro, o que pode ser facilmente constatado tanto nas lojas, restaurantes e hotéis, quanto pelas mansões e os inúmeros iates que disputam a pequena costa.

Nice, Cannes e Mônaco são bem próximas uma da outra e interligados por uma rede de trens similar a um metrô, chamada TER. De Cannes para Nice, por exemplo, é apenas meia hora. Quem não quer ficar baseado em uma cidade ou prefere trens mais confortáveis, pode aproveitar os TGV, outro tipo de trem, com espaço para bagagem e reservas antecipadas.

Ao lado do da Riviera fica a Provence, região conhecida pelo cultivo de lavanda e girassol. As cidades mais emblemáticas da região são Aix-en-Provence – a capital francesa da lavanda e eternizada nas telas de Paul Cézanne – e Saint-Rémy-de-Provence. Foi nesta pequena cidade que outro mestre da pintura, Vincent Van Gogh, fez a maior parte das suas telas famosas, inclusive, A Noite Estrelada. O sítio arqueológico Glanum também fica em Saint-Rémy. Outras cidades que valem a pena visitar são Cassis, cheia de falésias e restaurantes com vista para o porto, e Uzès, com vários prédios erguidos no período da Renascença.

Já Bordeaux, capital do departamento da Aquitânia, tem sua história e economia ligadas diretamente ao mundo dos vinhos e da gastronomia. Além de abrigar boa parte das vinícolas mais prestigiadas da França, é a terra dos macarons, dos spas e também é um ótimo centro de compras, com quase tantas lojas quanto Paris, porém mais baratas. Depois de instituir um programa de restauro de edifícios neoclássicos, converter várias ruas em calçadões para pedestres e transformar as margens do rio Garonne em parques, foi reconhecida pela Unesco como Patrimônio Histórico da Humanidade e em 2017 foi classificada pelo jornal The New York Times como “a nova Paris”.

Estes destinos, que figuram entre os mais charmosos do mundo, podem ser facilmente acessados a partir de Fortaleza. Graças ao hub da Air France/KLM, todos os dias saem voos para a França, com conexão tanto em Paris quanto em Amsterdã. Assim, é possível sair daqui e chegar ao aeroporto de Nice, o principal da região, em até 13h30, incluída a conexão. Além disso, a Casablanca Turismo oferece diferentes experiências em Bordeaux, sobretudo para os amantes do mundo dos vinhos, inclusive, opções com o selo Virtuoso, a associação internacional especializada em experiências turísticas exclusivas.