Preferida dos brasileiros e dos snow birds – como os nativos apelidaram os estadunidenses do norte, que buscam a cidade no inverno para fugir da neve -, Miami tem muito mais a oferecer do que somente compras, ou uma parada a caminho dos parques temáticos de Orlando, a cerca de 380 km.

Segunda maior cidade da Flórida, Miami foi erguida em uma região pantanosa e teve um dos maiores crescimentos demográficos dos Estados Unidos no século XX. Em menos de 200 anos (Miami foi fundada em 1825), a região passou de um vilarejo agrário para uma região metropolitana com mais de cinco milhões de habitantes. Grande parte deles, imigrantes de países hispânicos – tanto que em algumas regiões da cidade é mais comum ouvir espanhol do que inglês. Estima-se que 60% da população é oriunda de países latinos, principalmente México, Cuba, Porto Rico e claro, também do Brasil.

Miami começou a explorar o turismo, sua principal atividade econômica na atualidade, ainda nos anos 1920. O clima agradável, quente na maior parte do ano e ameno durante o inverno, as praias “na porta” do Caribe e patrimônios naturais como os parques nacionais Everglades e Biscayne (a maior parte dele está submersa, ao redor de um enorme coral que atrai mergulhadores do mundo todo), fizeram da região um dos principais balneários dos Estados Unidos. Além disso, Miami soube se transformar no paraíso para quem quer comprar, com inúmeros malls e outlets que oferecem todos os tipos de produtos a preços quase sempre tentadores.

Outro atrativo de Miami é a diversidade de baladas e de restaurantes, de todos os tipos. Casas como Novikov (culinária japonesa e chinesa), Joe’s Stone Crab (especializado em caranguejo, abre somente de maio a outubro), Zuma (japonês que segue a linha izakaya, com pratos servidos continuamente durante a refeição), o badalado Seaspice (localizado nas docas do Miami River, é conhecido pelos frutos do mar e pelas baladas de domingo à tarde), Prime 112 (um dos mais tradicionais em carnes), o Amara at Paraiso (à beira mar, utiliza ingredientes naturais do sul da Flórida e possui diversas opções pelo valor fixo de R$ 28), o grego contemporâneo Millos e o asiático Komodo são alguns dos destaques. Já entre as baladas, não deixe de conhecer a Mynt Lounge (bom caprichar na roupa para não ser barrado na entrada), LIV, STORY Nightclub e Nikki Beach.

Para se locomover por Miami, o mais indicado é alugar carro (porém, achar estacionamento pode ser uma dor de cabeça), já que corridas de taxi não são baratas. Para chegar lá, Fortaleza conta com voos pela Copa Airlines (com conexão na cidade do Panamá), Gol e Latam.