A combinação entre as águas azul turquesa do Índico, praias rosadas cortadas por elevações rochosas de coral e granito escuro, uma das maiores populações de tartarugas gigantes do mundo (além de tubarões-baleia e golfinhos), extensas áreas preservadas, resorts charmosos e uma economia voltada para o turismo sustentável faz das paradisíacas Ilhas Seychelles um dos destinos mais desejados do mundo. Principalmente para viagens a dois – não à toda, recebe vários casais de famosos em lua de mel, entre eles, os príncipes ingleses Kate e William.

Seja para curtir a dois, para mergulhar, pescar, fazer trilhas em meio a ecossistemas únicos no mundo ou conhecer as peculiares da cultura e da gastronomia creole, as Seychelles oferecem experiências inesquecíveis, que podem ser facilitadas pelo know how da Casablanca Turismo em destinos exclusivos.

O território de 460 km² (cerca de uma Fortaleza e meia) é dividido em 115 ilhas que, de tão diminutas, não aparecem na maioria dos mapas convencionais por questão de escala. A maior parte dos seus 100 mil habitantes dividem-se entre as ilhas Mahé (onde está a capital, Victoria), La Digue e Praslin.

É em Praslin que fica o Vallée de Mai, um parque nacional considerado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco e, segundo o folclore local, seria o bíblico Jardim do Éden. O coco-de-mer, que dá a maior semente do mundo vegetal e parece nádegas humanas, é nativo dessa região, assim como o raro papagaio-negro.

Outro patrimônio da humanidade das Seychelles é o Atol de Aldabra, que tem uma população de aproximadamente 150 mil tartarugas marinhas. Aliás, observar a fauna e a flora das ilhas é quase obrigatório, já que metade do país é área de preservação e, assim como em Galápagos e na Austrália, grande parte das suas espécies animais e vegetais ocorrem somente lá.

Com clima agradável durante todo o ano e fora do circuito de ciclones do Índico, os preços ficam um pouco mais baixos na estação chuvosa, entre dezembro e março, que também é a melhor época para mergulhar. A partir de Fortaleza, o caminho mais fácil para chegar ao arquipélago é pela Air France, com conexão em Paris e mais 10h de viagem.