Em contraste com o mês de março, que apresentou crescimento da produção e da utilização da capacidade instalada, a Sondagem Industrial de abril revelou cenário de estabilidade para os principais indicadores que analisam a dinâmica econômica das indústrias do Ceará. Os resultados reforçam o lento processo de recuperação econômica da indústria cearense. Essas foram as principais conclusões da pesquisa Sondagem Industrial, realizada pelo Núcleo de Economia e Estratégia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará – FIEC, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria – CNI.

De acordo com o estudo, a produção industrial apresentou tendência de estabilidade no mês de abril ao anotar 49,9 pontos, índice bastante próximo ao limiar divisório dos 50 pontos. O indicador de Utilização da Capacidade Instalada registrou valor abaixo do usual para o mês (42,2 pontos), representando expansão da ociosidade industrial. Os estoques situaram-se dentro do planejado e o mercado de trabalho da indústria cearense permaneceu estável no que se refere ao saldo de empregos.

No que concerne às expectativas para os próximos seis meses referentes à demanda, à quantidade exportada e à compra de matérias-primas no setor industrial, os indicadores de maio sinalizaram cenário positivo para os próximos seis meses. Já em relação à perspectiva para o número de empregados, nota-se que não há indicativos para o aumento de contratação na indústria cearense durante os próximos meses.

Por fim, o índice que mensura a intenção de investimentos decresceu aproximadamente 1 ponto em relação ao mês de abril, registrando 57,4 pontos. Nota-se que prossegue a tendência de manutenção em relação à intenção de investimento, sinalizando que a ociosidade do parque produtivo estadual ainda desestimula a realização de novos investimentos produtivos. Vale frisar que os valores apresentados nesta sondagem não incluem os efeitos da greve dos caminhoneiros sobre a atividade econômica e expectativas da indústria cearense.